x Calderón: Manter a força do G20
University of Toronto

G7 Information Centre
G20 Information Centre

Munk School of Global Affairs

Manter a força do G20

Felipe Calderón, presidente, Mexico
[English] [Espanol]

From "The 2011 G8 Deauville Summit: New World, New Ideas." edited by John Kirton and Madeline Koch
Published by Newsdesk Media Group and the G8 Research Group, 2011
To download a low-resolution pdf, click here

O G20 tornou-se o fórum principal para a governança econômica internacional. É um exemplo daquilo que podemos alcançar através da colaboração aberta entre economias emergentes e desenvolvidas. De fato, o valor agregado do G20 com relação a outros mecanismos internacionais tem sido a inclusão dos interesses e das prioridades das economias emergentes ao mesmo tempo em que lidamos com as questões globais mais urgentes. O G20 tem mostrado as vantagens do formato de um fórum para se trabalhar as questões através da construção do consenso, evitando-se, dessa maneira, os constrangimentos impostos pelas formalidades excessivas do processo decisório. Assim, o G20 reflete de maneira adequada a realidade indisputável de um mundo multipolar e interdependente.

Nesse quadro, o México tem desempenhado um papel chave como conector entre as economias emergentes e as avançadas. Por exemplo, o México trabalhou com outras nações para fortalecer a governança das instituições financeiras internacionais, reestruturando a representação de membros de maneira a espelhar o tamanho e a influência das potências emergentes. Isso certamente foi uma das principais realizações para os países em desenvolvimento que trabalham com o G20.

O G20 também demonstrou ser um espaço útil para a coordenação econômica. A resposta de política econômica que articulamos para lidar com a crise financeira global de 2008 é, provavelmente, o exemplo mais notável de cooperação econômica internacional em décadas recentes.

Os planos de estímulo econômico adotados pelos membros do G20 ajudaram a restaurar a confiança e a liquidez nos mercados mundiais, reduzindo, assim, o impacto da recessão global. Mais significativamente, a coordenação macroeconômica entre as mais importantes economias mundiais demonstrou ser a maneira mais efetiva de reascender a recuperação global.

Embora a recuperação tenha sido forte, não foi igualmente robusta em todos os países e todas as regiões. Isso continua a ser um problema até para algumas das economias mais desenvolvidas do mundo, e inclui o Japão e nações europeias como a Grécia, a Irlanda e Portugal. Algumas nações continuam a enfrentar altas taxas de desemprego, superaquecimento ou pressões inflacionárias, e déficits fiscais crescentes. À medida que os países lidam com seus próprios desafios, tem sido difícil concordar sobre um conjunto comum de políticas macroeconômicas para continuar adiante. É por isso que precisamos renovar nosso compromisso para alcançar juntos o crescimento forte, sustentável e equilibrado.

Conforme indicamos em novembro passado durante a Cúpula em Seul, está na hora de os membros do G20 trabalharem juntos para intensificar a recuperação econômica global. Em outras palavras, nosso objetivo mais urgente é de manter embalo atual de modo a alcançar o crescimento global contínuo. Estou convicto de que podemos fazer isso. Não será uma tarefa fácil, sem dúvida, mas propiciar um novo período de crescimento global é de suma importância. Uma recuperação de curto prazo poderia ter consequências severas e duradouras para a economia mundial.

A França detém atualmente a Presidência do G20, e sediará sua próxima reunião mais adiante este ano. Ao preparar essa cúpula, há várias questões a serem tratadas se formos nos ater aos nossos compromissos anteriores e estabelecer as bases para o crescimento futuro.

Primeiro, os países do G20 devem impor reformas estruturais para impulsionar a demanda doméstica e acelerar a recuperação de empregos. Devemos aprofundar a coordenação de políticas macroeconômicas de maneira a atingir a consolidação fiscal e ajustar os desequilíbrios globais. Tais desequilíbrios, que se refletem no atual saldo dos balanços de pagamentos, nos fluxos de capital e de dívida, e nas poupanças privada e pública, têm o potencial para desestabilizar a economia mundial. É por isso que devemos concentrar todos os esforços para adotar políticas coletivas para lidar com eles.

Em segundo lugar, devemos revitalizar o livre comércio. Essa questão tem sido prorrogada por tempo demais. Manter nossos mercados abertos para o comércio e o investimento é essencial para impulsionar a recuperação global e trazer crescimento sustentável para todos. Por isso, é essencial evitar o protecionismo e retomar a Rodada Doha de negociações comerciais assim que possível.

Em terceiro lugar, é igualmente importante avançar a agenda do Consenso de Seul sobre Desenvolvimento, não só porque é nosso dever moral de diminuir as disparidades entre ricos e pobres, mas também porque crescimento econômico forte em todas as nações levará à recuperação global sustentável. Iniciativas chave são levadas em consideração em muitas áreas, incluindo infraestrutura, desenvolvimento de recursos humanos, investimento privado e criação de empregos, segurança alimentar, crescimento resiliente, inclusão financeira, compartilhamento do conhecimento, entre outras coisas.

Em quarto lugar, devemos também continuar a incrementar a regulação financeira e a supervisão através de propostas abrangentes que conduzam a instituições financeiras mais robustas e que protejam os contribuintes. Estamos trabalhando para incorporar a perspectiva de economias emergentes nas reformas regulatórias financeiras, fortalecer a regulação e a supervisão do sistema financeiro paralelo (“shadow-banking”), e melhorar a integridade do mercado e aumentar a proteção ao consumidor. Isso nos ajudará a prevenir crises futuras tais como aquela que levou o sistema financeiro global à beira do colapso em 2008.

Como sede da Cúpula de 2011, a França propôs incluir a reforma do sistema monetário e a segurança alimentar na agenda do G20, que são questões que certamente precisam ser tratadas. Quanto à reforma do sistema monetário internacional, o México e a Alemanha são copresidentes de um grupo de trabalho focado na gerência de fluxos de capital e na liquidez global. O propósito disso é de identificar maneiras de melhorar o sistema monetário internacional de modo a assegurar a estabilidade sistêmica.

Em suma, nosso objetivo é criar uma arquitetura financeira global mais transparente e mais eficaz, que fomente o crescimento equitativo. Essa é nossa melhor aposta, já que se diz, frequentemente, que a maré alta levanta todos os navios.

Como um adepto da ideia de que o processo multilateral é uma maneira ideal para resolver os desafios globais para o benefício de todos, o México já olha para frente, pois em 2012 assumirá a presidência do G20. Meu governo tem o compromisso de consolidar os sucessos que, estou certo, serão alcançados na França, e proporá uma agenda baseada no estado da economia mundial que refletirá a importância crescente de países emergentes tais como o nosso.

À medida que nos preparamos para a Cúpula do México, buscaremos ativamente o conselho e a opinião de países dentro e fora do G20, de organizações internacionais, do setor privado, da academia e da sociedade civil. Trabalharemos com nossos parceiros para incrementar a eficácia e a responsabilização do G20, e para superar as diferenças entre economias desenvolvidas e as emergentes.

Conforme declaramos no passado, o objetivo do G20 é ambicioso: trata-se de estabelecer as bases de uma arquitetura internacional mais equitativa, transparente e justa, que promova efetivamente o desenvolvimento sustentável para toda a humanidade. Para se fazer isso, devemos seguir uma agenda mais ambiciosa para o futuro. É um desafio que devemos assumir. Estou certo de que o G20 pode e irá cumprir sua promessa de alcançar o crescimento global contínuo. Como um elo chave entre nações desenvolvidas e as economias emergentes, o México fará sua parte para trabalhar em prol desse objetivo comum.


This Information System is provided by the University of Toronto Library
and the G20 Research Group and G7 Research Group
at the University of Toronto.
   
Please send comments to:
g8@utoronto.ca
g20@utoronto.ca
This page was last updated September 19, 2016 .

All contents copyright © 2017. University of Toronto unless otherwise stated. All rights reserved.